b

GAZETA
ALBANOS

Fique por dentro de todas as novidades que envolvem a plataforma Albanos!

escolas cervejeiras
28/08/2020

O que é uma Escola Cervejeira? Saiba que tipo de cerveja essas escolas definem

Uma escola cervejeira é um estilo próprio de cerveja de uma região.

Você sabe o que é uma escola cervejeira? Esse conceito define as características comuns de produção de cerveja em um país, garantindo um estilo único em cada local.

A seguir, você confere quais são as escolas cervejeiras, as principais quatro escolas do mundo e quais cervejas fazem parte dessas classificações. 

O que é uma escola cervejeira?

Quem está adentrando o universo cervejeiro pode ficar de olho nesse termo. O conceito de escola cervejeira é utilizado para designar uma região responsável pela produção de determinado tipo da bebida.

Antes de tudo, vale lembrar que as grandes escolas de cerveja conhecidas ao redor do mundo são a alemã ou germânica, a inglesa, a belga e a americana.

Ou seja: são aqueles estilos criados ou surgidos nessas regiões, em séculos passados. Na atualidade, eles são replicados em outros países mundo afora, devem obedecer a determinados parâmetros e apresentar certas características que os definem.

Por exemplo: a Pilsen é uma cerveja criada em 1842, na República Tcheca (nesta época componente do território germânico).

Ela possui características específicas: coloração dourada, cristalina, espuma branca e densa, amargor assertivo e aroma herbal/floral da variedade de lúpulo Saaz, própria daquela região.

Consequentemente, em qualquer parte do planeta ao se produzir uma Bohemian Pilsen (como é chamado o estilo original), pertencente à Escola Germânica, a cerveja deverá apresentar tais características.

Quer saber mais sobre a produção de cervejas e trocar experiências com outros mestres cervejeiros?

Conheça a Escola Cervejeira Albanos, um espaço para compartilhar conhecimento.

Exemplos da escola cervejeira

Confira mais detalhes e exemplos de cada escola cervejeira.

Escola Alemã

Contempla os estilos produzidos originalmente na Alemanha, na Áustria e na República Tcheca, sendo uma das mais idealizadas ao redor do planeta. 

Basta lembrar da Lei de Pureza Alemã, que determina a utilização apenas de água, malte e lúpulo.

Estilos próprios da Escola Germânica:

Pilsen; Schwarzbier; Altbier; Köslch; Bock; Doppel Bock; Munich Helles; Munich Dunkel; Weizenbier; Berliner Weisse; Gose.

Escola Belga

A Bélgica é um país pequeno, mas com forte produção cervejeira. Diferentemente da escola alemã, não tem a chamada “lei de pureza”.

Isso garantiu espaço para sempre experimentaram diversas especiarias, conferindo sabores complexos à bebida.

Estilos próprios da Escola Belga:

Belgian Wit; Belgian Blond; Saison; Lambic; Gueuze; Dubbel; Tripel; Flanders Red Ale; Oud Bruin.

Escola Britânica

Contempla os estilos da Inglaterra, da Escócia e da Irlanda, locais com alto consumo de cervejas em barril. Os estilos costumam ter pouca espuma e baixa carbonatação.

Estilos próprios da Escola Britânica:

English Pale Ale; India Pale Ale; English Porter; Stout; English Barley Wine; Wee Heavy; Irish Red Ale.

Escola Americana

Responsável pelo estilo mais consumido do mundo, a American Lager. Ganhou força após o fim da Lei Seca dos Estados Unidos, com a adoção de receitas diversas, lupuladas e com insumos locais.

Estilos próprios da Escola Americana:

American Pale Ale (APA); Blonde Ale; Cream Ale; American Brown Ale; Double IPA; Session IPA; NEIPA; American Lager.

escolas cervejeiras

Água, malte, lúpulo e levedura: os 4 elementos que compõem a cerveja

Com apenas 4 ingredientes se faz cerveja! As diferenças entre um estilo e outro vão depender da forma como esses elementos serão combinados pelo mestre-cervejeiro

É ele quem elabora a receita de uma nova cerveja, mesclando maltes em diferentes graus de torra, escolhendo as variedades de lúpulo que serão utilizadas.

Ao mesmo tempo, define o tipo de levedura vai fermentar a bebida e até mesmo acrescentando ou retirando sais e minerais da água para adaptá-la ao estilo que será produzido.

Outros ingredientes podem fazer parte da cerveja, tais como especiarias, frutas, ervas…, mas não são essenciais. Cerveja pode ser feita sem eles. Já sem água, malte, lúpulo e levedura não existe cerveja!

Conhecer a base da bebida ajuda a entender melhor cada escola cervejeira e como os estilos foram sendo desenvolvidos ao longo do tempo.

Então, que tal conhecer um pouquinho mais a fundo sobre esse quarteto fantástico?

Água e cerveja

A água representa 95% da composição da cerveja. É nela que os grãos são macerados para se transformar na base da bebida.

Por representar praticamente a totalidade dos ingredientes, a água faz com que a cerveja seja uma bebida de alto potencial hidratante e de baixo teor alcoólico.

Malte

Malte é o resultado de um processo pelo qual passam os grãos de cevada, ou outros cereais como trigo e centeio.

O objetivo é extrair deles o açúcar necessário para alimentar a levedura, que é a responsável por fermentar a cerveja.

Sem o processo de malteação, os grãos, muito duros, não deixam exposto o amido de seu interior.

Maltear o grão significa deixá-lo germinar, para que pequenas raízes brotem de seu interior, rompendo suas cascas.

Quando isso acontece, o processo de germinação é paralisado e o grão, já aberto pelas pequenas raízes, é seco e torrado para o uso na produção da bebida.

Lúpulo

O lúpulo é uma planta trepadeira dióica (macho e fêmea), da família das Lianas. Para a cerveja, é a parte fêmea da planta que interessa.

Entre suas folhas nascem cones, cheios de pequenas folhas que carregam óleos essenciais importantes, chamados lupulinas. Esses óleos são bacteriostáticos, ou seja, paralisam a ação de bactérias.

É por isso que o lúpulo é o conservante natural da cerveja. É ele que traz o sabor amargo para a bebida e aromas herbais, florais, de frutas cítricas e tropicais.

Levedura

Levedura é um fungo. Em outras palavras, um ser vivo unicelular que se alimenta de alguma fonte de açúcar.

No processo cervejeiro, a levedura é inoculada no mosto, que é o caldo doce feito de malte e água, gerando álcool e gás carbônico. É por isso que se diz que quem verdadeiramente faz cerveja é a levedura!

Melhor cervejaria de BH abre as portas para você produzir

Embora existam alguns passos a serem seguidos na hora de fazer a cerveja, não existe receita mágica.

Primordialmente, o mestre cervejeiro deve usar os 4 ingredientes principais, mas escolher as regras da escola cervejeira de sua preferência. E, a partir daí, redescobrir aromas, sabores e experiências.

A melhor cervejaria de BH, a Albanos, abre as portas da sua fábrica para que cervejarias ciganas apliquem os conhecimentos e equipamentos da marca em produções próprias.

Nesse sentido, elas conseguem usar uma ótima infraestrutura. Assim, a Albanos segue fomentando o mercado cervejeiro, incentivando a criação de novas receitas e o desenvolvimento do setor.

Conheça nossa fábrica de cerveja e consulte disponibilidade. 

Veja Também:

Delivery de chopp: saiba como funciona e quais os benefícios

Saiba mais

3 curiosidades sobre Witbiers que você não pode deixar de saber

copo de witibier
Saiba mais

7 Estilos de Cerveja que são Ideais para o Verão

estilos-de-cerveja-albanos-bh
Saiba mais

10 bares para curtir o verão em BH: saiba onde tomar as melhores cervejas na capital dos bares

bares para curtir o verão_Albanos SION
Saiba mais