b

GAZETA
ALBANOS

Fique por dentro de todas as novidades que envolvem a plataforma Albanos!

10/03/2023

Cerveja e mulher: uma relação que atravessa os tempos!

Cerveja e mulher tem tudo a ver. A bebida foi criada por mulheres 4.000 a.C. e a relação não para por aí.

Já ouviu que cerveja e mulher não combinam? Ou que “cerveja é coisa de homem”? Essas ideias, além de totalmente preconceituosas e sexistas, não fazem sentido com a realidade. Afinal, a relação das mulheres com a cerveja é histórica.

A bebida começou a ser produzida por mulheres, séculos a.C. Mas a questão é muito maior. Cada vez mais, a presença feminina se fortalece no mercado cervejeiro, seja como produtoras, seja consumidoras.

Neste artigo, vamos contar um pouco mais sobre como as mulheres se relacionam com a produção cervejeira e desmistificar de vez se cerveja e mulher combinam.

Cerveja e mulher: entenda a história

Não é de hoje que cerveja e mulher estão na mesma página da história. Mesmo antes de entendermos a bebida como ela é hoje, a parcela feminina da população já tinha uma relação bem íntima com sua produção e consumo.

Antigamente, a cerveja era considerada um alimento. E, como bem sabemos, historicamente as mulheres eram as responsáveis por manter o grupo de pessoas alimentado.

A bebida teve uma importância fundamental para a sobrevivência das pessoas, já que evitava o consumo de água imprópria. Também já foi considerada um presente divino concedido por uma Deusa (e não um Deus).

Cerveja e mulher: placa mostra pessoas consumindo cerveja, que era um alimento básico diário comum na antiga Mesopotâmia.

Descoberta da cerveja pelas mulheres

Cerca de 9.000 a.C., quando os primeiros grupos civilizatórios começaram a se estabelecer na Ásia Ociental, o cultivo de cereais teve início.

Nesse cenário, a cerveja foi praticamente uma descoberta. Ao mergulhar os grãos em água – pois era difícil consumi-los crus –, eles começavam a brotar e ficavam com o gosto adocicado. Era o malte.

Logo, foram sendo desenvolvidas técnicas para cultivar esses grãos. E, neste período, as mulheres eram responsáveis pela agricultura, enquanto os homens saiam para caçar. Sim. A relação de cerveja e mulher é bastante antiga!

A evolução das cervejas

O que começou como um alimento comum, logo se tornou um produto bastante apreciado. Técnicas de fabricação foram elaboradas, sempre com as mulheres à frente, e a cerveja passou a ser vendida em larga escala, sendo uma renda extra para as famílias.

Pesquisas recentes apontam que as cervejas vikings eram produzidas por mulheres, bem como as inglesas. As mulheres eram chamadas de Alewifes, em tradução literal algo como esposas da cerveja.

Bruxas cervejeiras

As cervejas e as mulheres também estão ligadas a histórias de perseguição. Na Idade Média, durante o período conhecido como “Caça às Bruxas”, a produção cervejeira foi sendo, aos poucos, transferida para os homens.

Isso porque muitas cervejeiras foram consideradas bruxas. A fabricação era feita em grandes caldeirões. O líquido, borbulhante, parecia uma poção. Não demorou para essas mulheres serem perseguidas e o mercado começar a ser ocupado pelos homens. 

A revolução industrial mudou tudo

Mas quando a cerveja e a mulher começaram a se distanciar? Bem, na metade do século XVIII, quando a Revolução Industrial teve início, muita coisa mudou.

As inovações tecnológicas (da época) e o aprimoramento de modos de fazer acabaram dispensando a necessidade das mulheres na fabricação. As cervejas passam a ser produzidas em escala fácil, de jeito totalmente diferente.

Enquanto isso, as mulheres ficam, cada vez mais, responsáveis pelos cuidados da casa e das crianças, o que abriu espaço para os homens se tornarem protagonistas no mercado cervejeiro. 

As mudanças também se deram no aspecto legislativo. Em muitos países, as mulheres eram proibidas de ter alguma propriedade. Assim, não conseguiam abrir o próprio negócio – incluindo a fábrica de cervejas.

O resultado desse caminho a gente já sabe. A cultura cervejeira foi sendo transformada e sendo pautada por homens. Algo que influencia a forma como as pessoas enxergam e consomem a bebida até os dias de hoje.

Como está essa relação nos dias de hoje?

Embora tenham sido as grandes protagonistas na fabricação das cervejas, com o passar do tempo as mulheres foram sendo deixadas de lado.

Mas, atualmente, elas voltam a conquistar espaço, e comprovam que a relação entre cerveja e mulher é realmente forte.

Seja na produção artesanal ou em grandes indústrias, as mulheres estão cada dia mais presentes no mercado, retomando um lugar que sempre as pertenceu. Elas também estão por trás de pesquisas, premiações e na difusão da cultura cervejeira.

As mulheres ocupam, principalmente, cargos técnicos e de inovação, mas ainda há muitos desafios a serem superados.

Cerveja para mulher: isso existe?

E não dá para falar sobre cerveja e mulher sem tocar em um assunto que já gerou bastante polêmica: afinal, existe ou não uma cerveja própria para a mulher?

Pode falar a verdade: em algum momento você já deve ter ouvido que as mulheres preferem as cervejas fraquinhas ou que nem tomam cerveja, apenas vinho ou outras bebidas menos amargas.

Mas é claro que isso é uma ideia bem distante da realidade. Um estudo da Kantar mostra que mulheres de 40 a 49 anos das classes A e B foram responsáveis por um aumento de 27% no número de consumidores de cerveja no Brasil, no terceiro semestres de 2021, em comparação a 2019.

Além de movimentarem o setor, vale lembrar que cada pessoa é única e que a formação do paladar depende de vários fatores e podem mudar ao longo dos anos.

Por isso, existem mulheres que gostam de diferentes tipos e estilos de cerveja. As marcas que não entendem isso, estão fadadas a ficarem para trás.

Cerveja e mulher: celebre como e quando quiser!

A Albanos, melhor cervejaria de Minas Gerais, reconhece a importância das mulheres para o mercado cervejeiro no Brasil e em todo o mundo.

Contamos com mulheres em toda a nossa cadeia de produção e temos um espaço para a fabricação de cervejas que é um convite a todas que quiserem aprofundar seus conhecimentos e trocar experiências.

Desejamos que todas as mulheres sigam celebrando suas conquistas e possam ocupar todos os lugares que quiserem. Para o brinde, nada melhor que uma Albanos bem gelada.

Conheça a Loja Albanos e tim-tim!

Veja Também:

Como aumentar as vendas de chopp em 6 dicas

Como_aumentar_as_vendas_de_chopp
Saiba mais

7 dicas de como servir chopp corretamente

7-dicas-de-como-servir-chopp-cervejaria-albanos
Saiba mais

Já tem alguns anos que o Carnaval de Belo Horizonte voltou a ser a primeira opção tanto de belo-horizontinos quanto de turistas. Que tal curtir o pré-carnaval na Casa Carnaval.

casa-carnaval-albanos
Saiba mais

3 curiosidades sobre Witbiers que você não pode deixar de saber

copo de witibier
Saiba mais